Hipotireoidismo em Cães – Entenda por Completo

Hipotireoidismo em Cães – Entenda por Completo

Hipotireoidismo em cães: o que é, sintomas, causas e diagnóstico. Saiba como é realizado o tratamento positivo e eficaz do hipotireoidismo em cães

Marque agora mesmo uma consulta com um especialista em uma das unidades PET FISIO mais próxima de você ou pelo telefone (11) 5093-0178 ou (11) 95303-1449

O hipotireoidismo em cães é caracterizado por uma síndrome clínica resultante da produção deficiente de hormônio da tireoide. Aproximadamente 95 % dos casos ocorre em cães no início da idade adulta como uma doença primária da tireóide e em 5 % dos casos é decorrente da deficiência de hormônios de outras glândulas como hipófise ou hipotálamo.

Apesar de contar com tratamentos eficientes e rápidos, como veremos a seguir, o hipotireoidismo em cães é considerado uma doença de difícil diagnóstico e, até que sejam descobertas suas causas, o problema pode causar complicações na vida dos cães.

Classificações do hipotireoidismo em cães

Hipotireoidismo Primário: tipo mais comum da doença, resultado da tireoidite linfocítica ou da atrofia na glândula tireoide.

Hipotireoidismo Central:a tireóide não está afetada primariamente, mas não é estimulada por TSH (hormônio hipofisário). Essa condição é rara e as causas espontâneas incluem tumor de hipófise ou serem decorrentes de trauma encefálico.

Hipotireoidismo Congênito: também raro, ocorre em animais jovens, decorrentes do nanismo hipofisário.

Hipotireoidismo Juvenil adquirido: ocorre devido a falta de iodo na dieta. Antibióticos como sulfonamidas podem inibir de forma reversível o metabolismo dos hormônios tireoideanos, dependendo da dose e da duração do tratamento.

Manifestações clínicas

A tireoidite aparece despercebida. Os primeiros sinais, na maioria dos casos, aparecem em cães adultos jovens e de meia-idade (entre 5 à 10 anos de vida).

Apesar de cães de raças grandes serem acometidos com mais frequência do que os de raça pequena, não há predisposição pronunciada por raça. A incidência está igualmente distribuída entre machos e fêmeas.

Os hormônios tireoidianos atuam em quase todos os tecidos do organismo, então as manifestações clínicas ocorrem em quase todos os sistemas do organismo. Os sintomas diferem consideravelmente e são manifestados como ganho de peso, apetite inalterado ou reduzido, intolerância ao frio, letargia, diminuição das atividades físicas e mentais. Na pele e pêlos há alterações como alopecia sem prurido,pigmentação, dobras grossas de pele e aparência de face inchada. Podem ocorrer infecções secundárias da pele.

Alterações cardiovasculares também podem ocorrer como bradicardia, pulso fraco e alterações no eletrocardiograma. Pode ocorrer produção de leite persistente em fêmeas, ausência de cio e atrofia testicular.

Exames de sangue podem ainda revelar anemia não regenerativa, aumento de colesterol e de triglicérides e hiperglicemia leve.

Como é o diagnóstico?

Cães portadores de hipotireoidismo primário apresentam concentrações plasmáticas de T4 total e T4 livre abaixo dos valores de referência. Porém essas concentrações podem estar diminuídas em razão de drogas ou de outras doenças. Devido a síndrome do eutireoideo doente, essas concentrações plasmáticas reduzidas de T4 total e livre tem pouca relevância. No hipotireoidismo as concentrações plasmáticas de TSH apresentam-se elevadas. Atualmente o diagnóstico para hipotireoidismo primário se dá através da combinação de concentrações plasmáticas de T4 total abaixo dos valores de referência, TSH acima dos valores de referência, associados às manifestações clínicas do animal.

Tratamento!

O tratamento se dá através da suplementação oral de levotiroxina, na dose adequada para cada animal e administrada de maneira correta, conforme orientação do médico veterinário.

Ajustes na dose inicial podem ser necessários. A resposta e a facilidade do tratamento é gratificante. Com tratamento adequado e exames controle a cada seis meses o prognóstico do hipotireoidismo a longo termo é excelente.

O hipotireoidismo em cães deve ser levado a sério pelos tutores dos pets, e a consulta com endocrinologistas veterinários é extremamente aconselhável para um acompanhamento eficiente. Encontre a unidade PET FISIO mais próxima de você e marque agora mesmo uma consulta.

Artigos Recomendados